Brasão Episcopal

Discrição Heráldica

Escudo: Partido de azul e de vermelho; brocante sobre os campos, em um trimonte de prata encimado por uma cruz do mesmo metal; em chefe, uma pomba empalmada, de prata, resplendorada e raiada de ouro. Franqueando a cruz, à destra uma estrela de ouro com oito raios e, à sinistra, um sol do mesmo metal.
Insígnias: Episcopais, chapéu prelatício com três fileiras de borlas, de verde e cruz processional de ouro.
Lema: “In aeternum misericórdia ejus” = “Eterna é a sua misericódia”

Retratando o plano transcendental, o azul é essencialmente Mariano, Sendo a cor vermelha simbólica da vida temporal e matriz oficial da Igreja até o fim do século XIX, por aludir o Sacrifício de Cristo no calvário, outrossim,aos mártires na fé.
Prepondera no escudo, a pompa pentecostal que governa os móveis e motivos nele contidos. Pelo poder do Espírito Santo, Cristo, o Filho de Deus, entra em nossa história, e pela sua Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição, vence o pecado e a morte, comunicando-nos Vida Plena.

O trimonte encimado pela cruz é o emblema da Ordem dos Clérigos Regulares (Teatinos) á qual pertence o Pastor.
Falante, ainda, de Nossa senhora – Mão de Misericórdia no Ministério do Cristo e na vida deste Ministro, a estrela identifica a “Stella Matutina” – Mãe de Deus e da Igreja e guia da nova evangelização que orienta o Bispo em sua Missão Pastoral. Esta estrela, juntamente com a cruz e o sol aludem, respectivamente, à Encarnação, à Paixão e Morte e, à Ressurreição de Cristo, mistérios Divinos que concretizam a Misericórdia do Supremo Criador.
Pleno de esperança e iluminado pelo sol da Ressurreição, que se faz presente pelos raios do Espírito Santo, quer o Prelado caminhar, evangelizando, confiante na Eterna Misericórdia de Deus, conforme bem exprime o enunciado do seu lema “In aeternum misericórdi