Notícia Destaque Notícias da Diocese

Como viver bem a Quaresma e as práticas penitenciais

Nesta primeira sexta-feira da Quaresma queremos recordar que cada cristão é chamado a uma vida espiritual mais intensa neste tempo. “Na Igreja Católica, são dias e tempos penitenciais todas as Sextas-feiras do ano e o tempo de quaresma”, segundo o Código de Direito Canônico (c. 1250). O Jejum, a Oração e a Caridade (ou Esmola) como práticas quaresmais são condições indispensáveis para que possamos nos preparar para viver a maior festa da Igreja: a Páscoa do Senhor Jesus Cristo.

É importante destacar que todas às sextas-feiras, os cristãos são chamados a fazer memória da morte de Jesus na cruz, e “a não ser que coincidam com uma solenidade, deve se fazer a abstinência de carne, ou de outro alimento que seja determinado pela Conferência Episcopal; jejum e abstinência se guardarão na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa (Código de Direito Canônico, c. 1251)”.

A Oração

A Oração é uma condição indispensável para o encontro com Deus. Na oração, o cristão entra em diálogo íntimo com o Senhor, deixa que a graça entre em seu coração e, como Maria, abre-se para a oração do Espírito cooperando com ela em sua resposta livre e generosa (ver Lc 1,38)”*.

O Jejum

A penitência é uma das características do tempo da quaresma, sobretudo no comer e no beber. Tal penitência pode consistir numa simples abstinência, que é renúncia a algum alimento, ou pode chegar ao jejum, que consiste no privar-se das refeições de modo total ou parcial.”*

“O Jejum é saber renunciar a certas coisas legítimas para viver o desapego e desprendimento. Consiste em fazer uma refeição forte por dia. O jejum não proíbe de tomar um pouco de alimento na parte da manhã e à noite. É obrigatório dos 18 aos 59 anos inclusive. Essa mortificação se realiza cotidianamente e sem a necessidade de fazer grandes sacrifícios. Com ela, são oferecidos a Cristo aqueles momentos que geram desânimo no transcorrer do dia e se aceita com humildade, gozo e alegria, todas as diversidades que chegam”*.

“Entre as diversidades do jejum está a abstinência que consiste em não comer carne. Embora proíba o consumo de carne, não é o caso de peixe, ovos, leite e qualquer condimento feito a partir de gorduras animais. O jejum é obrigatório a partir de 14 anos de idade”*.

A Caridade

“A caridade é necessária como refere São Leão Magno: “Se desejamos chegar à Páscoa santificados em nosso ser, devemos pôr um interesse especialíssimo na aquisição desta virtude, que contém em si as demais e cobre multidão de pecados”. Sobre a prática do doar, São João Paulo II explica que este chamado “está enraizado no mais profundo do coração humano: toda pessoa sente o desejo de colocar-se em contato com os outros e se realiza plenamente quando se dá livremente aos demais”. Mais do que uma esmola (dar do que sobra), é um compromisso (dar segundo a necessidade)”*.

 

*Informações retiradas do site da Arquidiocese de Campinas.

PALAVRA DO BISPO

Dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto

FACEBOOK