Comunidade de Tatuí celebra Festa em louvor a Frei Galvão

A Comunidade de Santo Antonio de Sant’Ana Galvão de Tatuí realiza de 20 a 25 de outubro as festividades em honra a seu padroeiro, também conhecido como “Frei Galvão”. As missas acontecerão todas as noites às 19h30 e as pílulas do Santo serão distribuídas todos os dias. A cada dia serão realizadas, respectivamente, a benção das grávidas, benção dos bebês, benção dos doentes, benção dos trabalhadores, benção dos Antônio’s e por fim, a benção dos devotos.

O pároco da Paróquia Santa Rita de Cássia, Pe. Francisco Roberto da Silva, da qual a comunidade faz parte, presidirá a Missa de abertura neste sábado (20). E no dia 25 (quinta-feira) Dom Gorgônio presidirá a celebração que encerra as comemorações ao padroeiro. Toda a renda da festa, de acordo com o pároco, será revertida em prol à Comunidade.

Na parte recreativa, no dia 20 (sábado) haverá um jantar beneficente logo após a missa. Além disso será realizado no dia 21 às 13h, o sorteio da ação entre amigos.

A comunidade está localizada à rua Teófilo Andrade Gama, s/n, no bairro Santa Rita, em Tatuí (SP). Para mais informações, entre em contato pelos fones (15)3259-0773/99608-0584.

História do Santo

Segundo o site mantido pelos familiares do santo, “Santo Antônio de Sant’Ana Galvão, OFM, mais conhecido como Frei Galvão (Guaratinguetá, 1739 — São Paulo, 23 de dezembro de 1822) foi um frade católico e primeiro santo nascido no Brasil. Foi canonizado pelo papa Bento XVI durante sua visita ao Brasil (São Paulo) em 11 de maio de 2007”.

Na página conta-se também a origem das “pílulas da fé”. “Certo dia, Frei Galvão foi procurado por um senhor muito aflito, porque sua mulher estava em trabalho de parto e em perigo de perder a vida. Frei Galvão escreveu em três papelinhos o versículo do Ofício da Santíssima Virgem: Pos partum Virgo, Inviolata permansisti: Dei Genitrix intercede pro nobis (Depois do parto, ó Virgem, permaneceste intacta: Mãe de Deus, intercedei por nós). Deu-os ao homem, que por sua vez levou-os à esposa. A mulher ingeriu os papelinhos, que Frei Galvão enrolara como uma pílula, e a criança nasceu normalmente. Caso idêntico deu-se com um jovem que se estorcia com dores provocadas por cálculos visicais. Frei Galvão fez outras pílulas semelhantes e deu-as ao moço. Após ingerir os papelinhos, o jovem expeliu os cálculos e ficou curado. Esta foi a origem dos milagrosos papelinhos, que, desde então, foram muito procurados pelos devotos de Frei Galvão, e até hoje o Mosteiro fornece para pessoas que têm fé na intercessão de Servo de Deus”, relata. (Trechos retirados do site http://www.saofreigalvao.com)

Imagem: Divulgação/Internet