Custódio da Terra Santa: situação muito perigosa em Jerusalém

“Quero, em primeiro lugar, agradecer ao Santo Padre por ter a peito a situação de Jerusalém. Para os fieis seu chamado à oração é fundamental porque sem esta inspiração interior, que vem de Deus, é difícil que as pessoas se abram ao diálogo, à reconciliação e à paz.”

Foi o que declarou à agência Sir o custódio da Terra Santa, Frei Francesco Patton, comentando as palavras do Papa no Angelus deste domingo (23/07). O Pontífice lançou um forte apelo à “moderação e ao diálogo” com as seguintes palavras:

Premente apelo à moderação e ao diálogo

“Acompanho com preocupação as graves tensões e as violências destes dias em Jerusalém. Sinto a necessidade de expressar um veemente apelo à moderação e ao diálogo. Convido-os a se unirem a mim na oração, a fim de que o Senhor inspire a todos propósitos de reconciliação e de paz.”

“Rezar pela paz – afirmou o custódio – ajuda quem reza a amadurecer uma consciência de paz, que leva ao compromisso em favor da paz. Considero muito importante também o convite à moderação e ao diálogo.”

Dialogar para encontrar pontos de consenso e de acordo

“À moderação para evitar que a tensão e a violência sejam ulteriormente alimentadas e ao diálogo porque é o instrumento diplomático, ou seja, pacífico, que ajuda a encontrar pontos de consenso e de acordo que permitem às partes em causa sair de modo honroso de uma situação muito perigosa”, explicou o custódio da Terra Santa.