Rádio Conexão Católica

História do “Perdão de Assis” contada em documentos e imagens

O Papa Francisco visitará a Porciúncula em 4 de agosto, como anunciado esta segunda-feira (04/07). A visita terá lugar por ocasião do VIII Centenário do Perdão de Assis, cuja recorrência se dá providencialmente no Ano Santo da Misericórdia.

De fato, a Porciúncula é um verdadeiro santuário da misericórdia e da reconciliação que atrai milhares de peregrinos de todo o mundo. A “Pequena porção de terra” é um vocábulo ligado ao nome de Francisco e que deve a sua notoriedade à “remissão de todas as culpas” pedida pelo Santo à Cristo e à Virgem em 1216.

A história desta indulgência se entrelaça com a história da Igreja universal. O IV Concílio de Latrão estabeleceu na Const.  71 (De liberanda Terram Sanctam), a indulgência plenária para aqueles que fossem levados em “subsidium Terrae Sanctae”.  Em 1.300 o Papa Bonifácio VIII proclamou o primeiro Ano Jubilar para os peregrinos que visitassem os túmulos dos Apóstolos Pedro e Paulo.

Um “dom” do céu que fez do Perdão de Assis uma das indulgências mais conhecidas da cristandade e que pode ser obtida, a cada ano, nos dias 1° e 2 de agosto, ao se entrar na pequena igrejinha dentro da Basílica de Santa Maria dos Anjos, aos pés da colina onde está a Assis medieval.

Narram as crônicas da época, que em 1701 foi tão intenso o afluxo de peregrinos, frades, soldados, que as autoridades eclesiásticas viram-se obrigadas a organizar e regulamentar o desenvolvimento da Festa para evitar incidentes.

Esta é uma das histórias reveladas na mostra “O Perdão de Assis: história, hagiografia e erudição”, que por meio de documentos e livros antigos da Biblioteca e arquivos italianos e do exterior – entre os quais a Biblioteca Vaticana – reconstrói a história deste extraordinário “privilégio”.

A exposição foi inaugurada em 2 de julho na Sala Pio X do Museu da Porciúncula e estará aberta para visitas até 1°  de novembro. Entre os objetos expostos, estão a Bula de Celestino V pelo Perdão de L’Aquila e a Bula de Bonifácio VIII pelo primeiro Jubileu de 1.300.

Maiores informações podem ser obtidas no site da Porciúncula.