Notícias da Igreja

O Papa no Angelus: a lógica de Deus é cuidar do outro e não lavar as mãos

No primeiro Angelus dominical de agosto, Francisco nos exorta a seguir a lógica de Deus, que nos leva a “cuidar do outro”. O convite é de aproximar-se do Sacramento da Eucaristia com confiança no Senhor e sem esquecer nossos irmãos e irmãs que estão privados “do que é necessário”.
“Compaixão” pelas necessidades dos outros, confiança no amor “providente” do Pai e “corajosa” partilha. No Angelus de um domingo muito quente de agosto na Praça São Pedro, com a presença de muitos fiéis, entre os quais um grupo de religiosas brasileiras com bandeiras do Brasil, o Papa Francisco recorda as atitudes de Jesus com a multidão da passagem evangélica deste domingo, dedicada ao “prodígio da multiplicação dos pães”, e exorta a seguir a lógica de Deus, que nos leva a “cuidar do outro”. O convite é a “fraternidade”, aproximando-se do Sacramento da Eucaristia sem esquecer os irmãos e irmãs “privados do necessário” e usando precisamente a “compaixão” e a “ternura” de Jesus: Ele – para aqueles que o seguem e que, “para estar com ele”, se esqueceram de fazer provisões – não demonstrou “sentimentalismo” mas sim, explica, a manifestação “concreta” do amor que “assume” as necessidades das pessoas.
Ouça e compartilhe

A lógica de Deus

O Papa recordou que a cena descrita pelo evangelista Mateus se desenvolve em um lugar deserto onde Jesus, tendo se retirado ali com seus discípulos, é alcançado por pessoas que querem “ouvi-lo e serem curados”: “suas palavras e seus gestos – acrescenta – curam e dão esperança”.

Ao entardecer, a multidão ainda estão lá, e os discípulos, homens práticos, convidam Jesus a se despedir deles para que possam ir procurar o que comer. Mas Ele responde: “Vocês mesmos dêem-lhes de comer”. Imaginemos os rostos dos discípulos! Jesus sabe muito bem o que está prestes a fazer, mas quer mudar a atitude deles: não diz “deixem que se arranjem”, mas “o que a Providência nos oferece para compartilhar? Duas atitudes opostas. E Jesus quer levá-los à segunda atitude, porque na primeira proposta, é uma proposta de um homem prático, mas não generoso: “deixem-os ir, que vão procurar, que se arranjem. E Jesus pensa de outra forma.

Jesus, através desta situação, quer educar seus amigos de ontem e de hoje para a lógica de Deus: a lógica de cuidar do outro.

PALAVRA DO BISPO

Dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto

FACEBOOK