PASTORAL DA CRIANÇA DEFINE NOVO FOCO NA ATUAÇÃO DE PADRES ASSESSORES E COORDENADORES

PC-PadresAssessores-FotoMariinhaRP (28)
Na imagem, a coordenadora estadual da Pastoral da Criança, Eunice Gomes, a coordenadora arquidiocesana da PC Ribeirão Preto, Maria Aparecida Menezes de Paula e o Bispo referencial, Dom Gorgônio

Nesta terça-feira, dia 11, a Pastoral da Criança Estadual promoveu um encontro na cidade de Bauru (SP) que reuniu onze Padres Assessores da Pastoral, representantes das Sub Regiões de Botucatu e Ribeirão Preto (RP1 e RP2) em um Centro de Transformação e Vivência. Esteve presente no encontro para orientar os trabalhos o Bispo da Diocese de Itapetininga e também referencial da Pastoral da Criança do Regional Sul 1 da CNBB, Dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto. Além deles, o encontro contou com a presença de treze coordenadores diocesanos das sub regiões citadas.

Segundo a coordenadora estadual da Pastoral, Eunice Gomes, o objetivo da reunião “é unir forças entre os Assessores e os coordenadores para melhorar o trabalho realizado pela Pastoral. Vale lembrar também, que atualmente, a Pastoral atua com um novo foco e, por isso, era necessário redefinir as ações de acompanhamento dos Padres Assessores, pois são eles que nos auxiliam e dão sustentação à missão dos coordenadores”.

PC-PadresAssessores-FotoMariinhaRP (27)
Coordenadores e Padres Assessores da Pastoral da Criança das Sub Regiões Botucatu e Ribeirão Preto

Inicialmente, a Pastoral da Criança realizava o acompanhamento de crianças desnutridas e desidratadas, e hoje, explica a coordenadora, “os novos desafios são combater e prevenir a obesidade infantil e o grande número de nascimentos de prematuros. Essa mudança de prioridades gerou a necessidade de se reorganizar o papel de todos os envolvidos neste trabalho”.

Neste encontro, ficou definido entre os presentes que, os Padres assessores assumem agora o papel de sustentar a missão dos agentes e ser ‘elo’ entre a Pastoral da Criança e a Igreja particular, ou seja, os fieis. Na prática, os Assessores “auxiliarão os coordenadores a entender seu papel junto ao plano de Pastoral, articularão com outras pastorais e serão presença viva da Igreja nas comunidades mais distantes”, afirmou.

Fotos: Pastoral da Criança/Arquidiocese de Ribeirão Preto/ Mariinha