ANGELUS DO PAPA: “AS PALAVRAS MATAM. INSULTAR NÃO É CRISTÃO!”

Inspirando-se na liturgia deste domingo que fala da correção fraterna na comunidade dos crentes, o Papa recordou:

“Jesus ensina-nos que se o meu irmão comete um erro contra mim, me ofende, eu devo ser caridoso em relação a ele e, antes de mais, falar com ele pessoalmente e explicar-lhe que o fez ou disse não é bom”.

No caso que ele não dê ouvidos, então é preciso – sempre como ensina Jesus – voltar a falar-lhe com uma ou duas outras pessoas, e se mesmo assim não mudar de atitude, então pode-se levar o caso à comunidade. E se não ouvir nem sequer à comunidade, ocorre fazer-lhe compreender a fratura e o afastamento que ele próprio provocou, destruindo a comunhão com os irmãos na fé” – disse o Papa ilustrando as etapas deste itinerário:

As etapas deste itinerário mostram os esforços que o Senhor pede à sua comunidade para acompanhar quem erra, a fim de que não se perca. É necessário, antes de mais, evitar o clamor da cronica e a murmuração da comunidade”.

 

Tudo deve ser feito com delicadeza, prudência, humildade, atenção perante o irmão que errou evitando feri-lo, ou mortificá-lo porque, frisou o Papa: também as palavras matam”. Falar mal, fazer críticas injustas, (…) é matar o outro, as palavras também matam

É sempre melhor falar com o irmão pessoalmente e tudo acaba ali – disse Francisco, sublinhando que o escopo de tudo isso é fazer compreender ao irmão que com o seu erro não só ofendeu a uma pessoa , mas a toda a comunidade. Tem também a finalidade de nos ajudar a libertar-nos da ira e do ressentimento que só fazem mal, provocam amargura no coração e levam a insultar e a agredir. Mas “é feio ouvir da boca de um cristão insultos ou agressões. É feio, eh!, nada de insulto, insultar não é cristão, compreendido!? Insultar não é cristão!

É que – prosseguiu o Papa – na realidade, “a correção fraterna é um aspecto do amor e da comunhão que devem reinar na comunidade cristã, é um serviço recíproco que podemos e devemos prestar uns aos outros”.

Um serviço ao outro! Mas para que esse serviço seja eficaz é preciso que nos reconheçamos todos pecadores necessitados do perdão do Senhor.
É por isso – disse ainda o Papa – que no início da Missa cada um de nós pede perdão pelos próprios pecados, não pelo pecado do outro…

E entre as condições que tornam comuns os participantes na celebração eucarística, dois são fundamentais: todos somos pecadores e a todos Deus dá a sua misericórdia. Devemos sempre recordar isto antes de nos apresentamos perante o irmão para a correção fraterna”.