COMUNICAR À PESSOA TODA, SEM PROPOR SOLUÇÕES APRESSADAS – PAPA AOS MEMBROS DA “TV 2000”

Muitas vezes, a comunicação se submeteu à propaganda, às ideologias, para fins políticos ou econômicos” , disse o Papa destacando a missão “difícil” dos media  católicos neste contexto. E prosseguiu afirmando que “O que faz bem à comunicação é, em primeiro lugar, a parresia, isto é, a coragem de falar com franqueza e liberdade.”

Para Francisco, a liberdade deve ser também em relação às modas, aos lugares-comuns, às fórmulas pré-fabricadas, que acabam por anular a capacidade de comunicar. “Despertar as palavras: eis a primeira missão do comunicador”, afirmou, explicando que a comunicação deve evitar “preencher” e “fechar”.

Preenche-se quando se tende a saturar a nossa percepção com um excesso de slogans que, em vez de pôr em ação o pensamento, anulam-no. Fecha-se quando ao invés de percorrer a via longa da compreensão, se prefere aquela breve de apresentar indivíduos como se pudessem ser capazes de resolver todos os problemas ou, ao contrário, como bodes expiatórios, sobre os quais descarregar toda a responsabilidade.

Segundo o Papa, recorrer imediatamente à solução, sem passar pelo esforço de representar a complexidade da vida real, é um erro frequente que se comete quando se quer que a comunicação seja mais rápida e menos reflexiva. “Abrir e não fechar: eis a segunda missão do comunicador.”

Já a terceira e última missão consiste em “falar à pessoa toda”, ou seja, evitar os pecados dos mídia: a desinformação, a calúnia e a difamação.

Uma comunicação autêntica não está preocupada em “atingir”, afirmou o Papa, identificando hoje nos media a alternância entre alarmismo catastrófico e descompromisso consolatório. “É preciso falar à pessoa humana na sua integralidade: à sua mente e coração, para que saiba ver para além do imediato, para além de um presente que corre o risco de não ter memória do passado e ser temoroso do futuro.”

Essas três missões, concluiu o Pontífice, tornam concreta a cultura do encontro, hoje tão necessária num contexto cada vez mais plural. “Isso requer estar dispostos não apenas  a dar, como também a receber dos outros.

 

Fonte: Rádio Vaticano