Rádio Conexão Católica

Papa a familiares das vítimas do atentado em Nice: desarmar o ódio com o amor

O Papa Francisco recebeu, neste sábado (24/09), na Sala Paulo VI, no Vaticano, os familiares das vítimas do atentado perpetrado, em Nice, sul da França, em 14 de julho passado, Dia da Bastilha, onde um caminhão atropelou diversas pessoas que estavam assistindo à queima de fogos. Oitenta e cinco pessoas morreram e várias ficaram feridas.

“Com emoção, encontro-me com vocês que sofrem no corpo e na alma, pois numa noite de festa a violência os afetou cegamente sem olhar origem nem religião. Partilho a sua dor, uma dor que se torna ainda mais forte quando penso nas crianças, nas famílias inteiras, cujas vidas foram ceifadas improvisadamente e de forma dramática. Asseguro a cada um de vocês a minha compaixão, proximidade e oração”, disse o Pontífice.

“Queridas famílias, peço a Deus, Pai de todos, para que acolha os seus parentes defuntos e que eles encontrem o descanso e a alegria da vida eterna. Para nós cristãos, o fundamento da esperança é Jesus Cristo, morto e ressuscitado. O Apóstolo Paulo nos garante: ‘Se estamos mortos com Cristo, acreditamos que também viveremos com ele, pois sabemos que Cristo, ressuscitado dos mortos, não morre mais; a morte já não tem poder sobre ele’. Possa a certeza da vida eterna, que pertence também aos fieis de outras religiões, lhes servir de consolo no decorrer da vida, e ser um motivo forte de perseverança para prosseguir com coragem o seu caminho aqui na Terra.”

O Santo Padre pediu a Deus misericordioso por todas as pessoas que ficaram feridas, em certos casos mutiladas, na carne e no espírito, e que por esta razão não puderam participar do encontro com o pontífice, pois se encontram ainda no hospital. “A Igreja está próxima a todos vocês e os acompanha com grande compaixão nestes momentos difíceis de enfrentar. Peço ao Senhor para que coloque em seus corações sentimentos de paz e fraternidade”, sublinhou Francisco.

O Papa disse que o atentado perpetrado, em Nice, despertou em vários lugares gestos significativos de solidariedade e acompanhamento. Francisco agradeceu a todas as pessoas que, imediatamente, socorreram as vítimas, e que até hoje ajudam e acompanham as famílias.

“Penso na comunidade católica e seu Bispo, Dom André Marceau, mas também nos serviços de assistência e nas associações, em particular na associação Alpes-Maritimes Fraternité, aqui presente, que possui representantes de todas as confissões religiosas. Isso é um sinal muito bonito de esperança. Alegro-me de ver que entre vocês as relações inter-religiosas são muito vivas, e isso ajuda a aliviar as feridas destes acontecimentos dramáticos.”

Segundo o Papa, “estabelecer um diálogo sincero e relações fraternas entre todos, sobretudo entre aqueles que confessam um Deus único e misericordioso, é uma prioridade urgente que os responsáveis políticos e religiosos devem favorecer e que cada um é chamado a realizar ao seu redor”.

“Quando é grande a tentação de voltar-se para si mesmo ou de responder ao ódio com o ódio e à violência com a violência, é necessária a conversão autêntica do coração. Esta é a mensagem que o Evangelho de Jesus dirige a todos nós. Pode-se responder aos ataques do demônio somente com as obras de Deus que são perdão, amor e respeito pelo próximo, mesmo que seja diferente.”

O Papa concluiu o seu discurso, garantindo mais uma vez a sua oração e toda a ternura do Sucessor de Pedro. Disse que reza também pela França e seus responsáveis para que seja construída uma sociedade justa, pacífica e fraterna.