Rádio Conexão Católica

PAPA: A FÉ, MOTIVO MAIS VERDADEIRO DA GRANDEZA DE MARIA

“A fé, o motivo mais verdadeiro da grandeza de Maria e de sua bem-aventurança”. O Papa Francisco dedicou o Angelus da Solenidade da Assunção inteiramente a Maria, a “Bem aventurada, porque acreditou na palavra do Senhor: a grande fiel!”. Mesmo com o tempo instável, milhares de fieis de diversos países foram ouvir as palavras do Pontífice, naquele que foi o primeiro Angelus, em 61 anos, a ser rezado no Vaticano, na Solenidade da Assunção de Maria. Pela tradição, era sempre rezado em Castel Gandolfo, residência de verão dos Papas.

A passagem do Evangelho da visita de Maria a sua prima Isabel – proposta pela liturgia do dia – oferece ao Pontífice a ocasião para recordar daquele encontro “pleno do Espírito Santo”, em que Maria expressa a sua alegria com o Magnificat, por ter tomado “plena consciência do significado das grandes coisas que estão se realizando na sua vida: por meio dela chega ao cumprimento toda a espera de seu povo”. Mas o Evangelho revela também “o motivo mais verdadeiro da grandeza de Maria”:

“O Evangelho nos mostra também qual é o motivo mais verdadeiro da grandeza de Maria e da sua bem-aventurança: o motivo é a fé. De fato, Isabel a saúda com estas palavras: “Bem-aventurada aquela que acreditou, porque vai acontecer o que o Senhor lhe prometeu”. A fé é o coração de toda a história de Maria; ela é fiel, a grande fiel; ela sabe – e o disse – que na história pesa a violência dos prepotentes, o orgulho dos ricos, a arrogância dos soberbos. Todavia, Maria acredita e proclama que Deus não deixa sozinhos os seus filhos, humildes e pobres, mas os socorre com misericórdia, com solicitude, derrubando os poderosos de seus tronos, dispersando os orgulhosos nas tramas de seus corações. Esta é a fé de nossa Mãe, esta é a fé de Maria!”.

O Cântico de Nossa Senhora nos deixa também intuir que se a misericórdia do Senhor é o motor da história, então não “poderia conhecer a corrupção do sepulcro, aquela que gerou o Senhor da vida” – disse o Papa.  E as “grandes coisas” que o Onipotente fez em Maria, dizem respeito também a nós, “nos falam de nossa viagem na vida, nos recordam a meta que nos espera: a casa do Pai”:

“A nossa vida, vista à luz de Maria assunta ao Céu, não é um vagar sem sentido, mas é uma peregrinação que, mesmo com todas as suas incertezas e sofrimentos, tem uma meta segura: a casa de nosso Pai, que nos espera com amor. É bonito pensar nisto: que nós temos um Pai que nos espera com amor e que também a nossa Mãe Maria está lá, e nos espera com amor”.

O Santo Padre recorda então que Deus fez resplandecer um sinal de consolação e de segura esperança:

“E este sinal tem um rosto, este sinal tem um nome: o rosto luminoso da mãe do Senhor, o nome bendito de Maria, a cheia de graça, bem aventurada porque acreditou na palavra do Senhor: a grande fiel! Como membros da Igreja, somos destinados a partilhar da glória da nossa mãe, porque, graças a Deus, também nós acreditamos no sacrifício de Cristo na cruz e através do Batismo, somos inseridos em tal mistério de salvação”.

“Hoje todos juntos rezemos a ela, para que, enquanto se desvela o nosso caminho sobre a terra, ela nos dirija os seus olhos misericordiosos, ilumine o nosso caminho, nos indique a meta, e nos mostre depois deste desterro Jesus, o fruto bendito do seu ventre. Ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria!”