Pe. Carlo aos diáconos: “para exercer bem a missão, é preciso estar a serviço da unidade”

No último final de semana, os Diáconos permanentes da Diocese de Itapetininga, estiveram em Retiro Espiritual, na Chácara São José, em Sorocaba. Ao todo, 69 diáconos e candidatos ao diaconato (que receberão nas próximas semanas a Ordenação) estiveram presentes. Neste ano, por conta do número de novos participantes e da estrutura da Chácara, as esposas dos diáconos não puderam participar. Este retiro acontece uma vez ao ano.

Na primeira homilia na Missa de abertura do retiro, Pe. Carlo Battistoni, do Centro Bíblico Regnum Dei, levou os diáconos a refletir e se perguntar sobre como Deus quer ser servido. O sacerdote assessorou todo o encontro.

A nova Comissão dos Diáconos

Durante as reflexões propostas e homilias ao longo do sábado e domingo, foram abordados temas relacionados ao ministério diaconal e à Virgem Maria. Foram retomadas, com grande profundidade e espiritualidade, as dimensões do serviço da caridade, da Palavra e do Altar, além da importância e da correta compreensão acerca da pessoa e da missão de Maria.

Também durante o encontro, a nova Comissão dos Diáconos Permanentes, eleita na última assembleia em junho, tomou posse e inicia suas atividades a partir de agora.

Sábado (01/07)

Padre Carlo, que também é professor de dogmática, ao expor o aspecto da graça santificante, do dom, do sacramento, do carisma conferido aos diáconos, de configuração ao Cristo Servo, retomou a origem e o significado da palavra grega Karis, de onde vem carisma. Segundo ele, “cada encontro com uma pessoa, torna-se uma oportunidade única de levá-la a um encontro surpreendente com Deus, um encontro que salva. A caridade é conduzir uma pessoa ao coração de Jesus. E o carisma dado aos diáconos é de ser um canal onde Deus pode entrar na vida das pessoas, pois eles são instrumentos eficazes para introduzir as pessoas no interior de Deus”.

A respeito do serviço à Palavra, ele afirmou que a palavra expressa o que a pessoa é, e que através dela que é possível entrar no outro. Assim, “os diáconos comunicam a essência de Deus quando exercem seu ministério”.

Em relação ao serviço ao Altar, disse que “servir ao Altar é servir ao ponto de encontro entre o humano e o divino, Jesus Cristo”.

Ao falar do serviço na Sagrada Escritura, fez a distinção entre escravidão, serviço e diaconia, salientando que liberdade e serviço estão ligados. A respeito da diaconia, disse que significa um serviço operado com sentido e sentimento de gratidão por um dom recebido. “Porque fui resgatado, te entrego a minha vida”. Assim, como diaconia significa, etimologicamente, em função da unidade, “os diáconos, para exercerem bem sua missão, precisam estar a serviço da unidade”.

o assessor abordou aspectos arqueológicos e bíblicos sobre Maria, refletiu sobre algumas narrativas do texto sagrado, demonstrando a importância de sua missão, respondeu a alguns questionamentos relacionados a algumas interpretações dadas por alguns autores, mas que não correspondem ao contexto histórico.

Na noite de sábado, foi realizado um momento mariano, com a participação de todos os presentes.

Domingo (02/07)

Na Missa de encerramento, Dom Gorgônio afirmou que é um grande privilégio os diáconos terem o Pe. Carlo Battistoni assessorando o retiro, e, que ele já falou por duas oportunidades ao presbitério.

Ao final do encontro, foi solicitada uma avaliação do encontro ao pregador, que disse que o retiro foi excelente, tudo feito por pessoas que desejam realmente Deus; a participação foi plena, total, completa, muito positiva, e isso possibilitou espaço para responder a algumas perguntas e questionamentos. Padre Carlo disse ver um corpo diaconal que caminha unido, com a integração entre os novos diáconos e aqueles que já exerciam o ministério. Para ele e para todos os participantes, o encontro foi 100%.

Foto: Divulgação/Comissão dos Diáconos Permanentes