Rádio Conexão Católica

Santuário Nossa Senhora da Conceição de Tatuí é elevado à Basílica Menor

O dia 21 de abril ficará marcado na memória de todos os tatuianos e também para toda a Diocese de Itapetininga. Trata-se da celebração de Instalação Canônica da Basílica de Nossa Senhora da Conceição que aconteceu na tarde desta quinta-feira. A celebração faz parte das comemorações de 200 anos de existência da Igreja Matriz, fundada no ano de 1822.

A Santa Missa foi presidida pelo Bispo Diocesano, Dom Gorgônio e concelebrada por Dom Júlio Endi Akamine, Arcebispo de Sorocaba, Dom Arnaldo Cavalheiro Neto, Bispo de Itapeva, Dom Manoel Ferreira dos Santos Júnior, Bispo de Registro, Dom José Benedito Cardoso e Dom Jorge Pierozan, Bispo Auxiliar de São Paulo e Padre Élcio Roberto de Góes, Reitor da Basílica.

A celebração também contou com a presença de Padres, Diáconos, religiosos, seminaristas, autoridades e centenas de fiéis que lotaram a Igreja Matriz.

Logo no início da Santa Missa, Padre Luiz Paulo Braga, Chanceler do Bispado, apresentou o Decreto Pontifício, no qual constam as motivações que fundamentaram a concessão do título de Basílica Menor à Igreja, bem como a outorga do Papa Francisco por meio da “Congregação para o culto Divino e da Disciplina dos Sacramentos”, que dispõe sobre os privilégios e as obrigações inerentes a este título.

Após a leitura do decreto foram acolhidas as Insígnias Basilicais que são:  Virga Rubra (uma espécie de bastão, revestido de tinta vermelha com decorações e ponteiro em prata, que é levada processionalmente; tem a função de guiar o cortejo pelo caminho próprio), Tintinábulo (espécie de estandarte com um pequeno sino; na Idade Média, ele tinha a função de anunciar ao povo de Roma a proximidade do papa durante as procissões) e Umbela Basilical ou Conopeu Basilical (é um tipo de guarda-sol, que é usado sempre semiaberto e possui as cores do Vaticano, o brasão do papa, o brasão do bispo, o brasão da Diocese, o brasão do reitor da época da eleição e a bandeira do município onde está instalada a Basílica).

Durante homilia, Dom Gorgônio, comentou que todos nós somos agraciados por este título concedido pelo Papa Francisco. “Este título expressa comunhão com o Papa, a unidade da Igreja e a nossa caminhada de fé“, diz o Bispo.

Em sua reflexão ressaltou também as comemorações dos 200 anos de história e lembrou das pessoas que passaram por esta igreja e que deixaram a sua marca testemunhando o bem no amor e na fé. “Bendito seja aqueles que vieram antes de nós, que construíram essa bela igreja, que findaram nessa cidade a fé católica para que nós pudéssemos também viver, participar e ser verdadeiro povo de Deus”.

Dom Gorgônio, concluí pedindo aos fiéis o compromisso  e a responsabilidade, assumindo um empenho maior na evangelização, onde não é apenas uma honra ou privilégio e sim um compromisso de caminhar com Cristo unidos ao Santo Padre o Papa, sempre fazendo o bem.

No final da celebração, Padre Élcio, Reitor da Basílica,  fez uso da palavra e ressaltou a alegria de receber este reconhecimento  e que é ao mesmo tempo uma missão em servir mais e melhor, sendo fiel ao magistério do Santo Padre, sendo um lugar de oração, perdão, de misericórdia e acolhida para todos os filhos de Deus e devotos de Nossa Senhora da Conceição.

Com a elevação, a Igreja Matriz de Tatuí se torna a 74ª Basílica Menor do Brasil, 22ª do Estado de São Paulo e a 2ª da Diocese de Itapetininga, juntamente com a Basílica de São Miguel Arcanjo instalada em 2018.

Bispos participam da Santa Missa de instalação da Basílica – Foto Adriana Ventura

A Igreja

Na segunda década de 1800, quando o então Príncipe Regente do Império Brasileiro, tendo ouvido os insistentes apelos dos fiéis cidadãos da pequena aldeia, decidiu autorizar a construção de uma pequena capela, que deveria ser dedicada à veneração da Conceição de Maria.
Foi assim que o quinto Bispo da Província de São Paulo, Dom Matheus de Abreu Pereira, criou a primeira paróquia da cidade em 1818, nomeando como primeiro pároco o padre Anacleto Dias Baptista, em 4 de Janeiro de 1822.

Com base em arquivos e documentos históricos, é possível dizer que a cidade de Tatuí, como é hoje, nasceu em torno desta capela dedicada à Imaculada Conceição. Os camponeses queriam que o símbolo material da presença de Deus estivesse mais perto deles.

Título de Basílica Menor

Este é um título antigo da Igreja Católica. O Papa é a única pessoa que pode conceder o título de “basílica” a um templo. Depois ainda que o Império Romano historicamente se tornou oficialmente cristão, o título foi concedido a Igrejas geralmente importantes pelos mais diversos motivos como veneração das devoções cristãs, historicidade, beleza artística e arquitetônica. Goza ela, segundo o direito canônico, de certas particularidades, como altar reservado ao papa, ao cardeal ou ao bispo, conferindo-lhe, sobretudo uma dimensão de status internacional, pois não submete-se apenas à jurisdição eclesiástica local.

No mundo, existem apenas quatro basílicas intituladas maiores – situadas na cidade de Roma: são elas: São Pedro, São João de Latrão, Santa Maria Maior E São Paulo Extramuros. As demais basílicas são intituladas menores e são mais de 1800 em todo o mundo.